Powered by free wordpress themes

Home / Política / Ponto de vista

Powered by free wordpress themes

Nuvens carregadas sobre o Palácio do Planalto, em Brasilia. Foto DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Ponto de vista

Tudo indicava na terça-feira que aquele seria um final de tarde igual aos outros em Brasília. Com muita agitação sim nas duas Casas do Congresso, em torno da votação de projetos importantes da reforma econômica, porém nada mais do que isso. Eis que, de repetente, nuvens carregadas começaram a se formar no horizonte, indicando a chegada de chuvas fortes, não previstas pelos meteorologistas. E o aguaceiro caiu de uma vez só, engolfando mais de uma centena de políticos graúdos.

 

Pavor

O site do jornal Estadão divulgou, em primeira mão, a confirmação de que o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato, havia autorizado a abertura de investigação para apurar as responsabilidades de políticos que vão de ministros do governo Temer, passando por quase um terço do Senado e praticamente mais de meia centena de deputados federais e outros políticos de primeiro escalão.

Reação

Todos reagiram de imediato, proclamando inocência e manifestando a fé de que, no final de tudo, ficará provada sua inocência. O processo é demorado, como costuma ser e ainda mais porque os atingidos estão abrigados sob o guarda-chuva desse mecanismo torpe conhecido como foro privilegiado. São os deuses e semideuses do olimpo político nacional. Então que ninguém espere por decisões rápidas, punições em breve espaço de tempo.

Vez do povo

Em razão disso e a conhecida capacidade procrastinatória dos advogados estrelados que atuam nessas questões e como no próximo ano teremos eleições, a maioria dos envolvidos vai terminar mandatos sem que os julgamentos terminem antes. Mas, é aí que entra a vez do povo, a capacidade dos eleitores em fazer justiça com as próprias mãos, sem linchamentos, mas sim pelo uso de uma arma poderosa, o voto.

Próximos

Alguns dos envolvidos na lista que foi de Janot e agora é de Fachin, são aqui da região ou atuam com força por aqui, exercem influência direta, têm correligionários poderosos no cenário, por isso mesmo chamando mais nossa atenção.

Primeira pedra

É importante que se assinale. O fato de nomes constarem da lista maldita (para eles) não significa, de face, que possam ser considerados culpados. Há sim a possibilidade de haver precipitações, de como provar inocência e é isso que lhes é facultado agora, o direito sagrado de contestação.

Coisa & Tal

Só por curiosidade: e se essa multidão de citados resolverem delatar? Será o fim dos tempos político?

Entre aspas

O que eles dizem:

– As acusações são mentirosas, mas que só vai comentar o tema após ter acesso ao pedido de inquérito. (Ministro Aloysio Nunes)

– Jamais recebi doação não contabilizada em minhas campanhas eleitorais. Sou o maior interessado para que esse assunto seja esclarecido o mais breve possível. – (Deputado Rodrigo Garcia).

Hoje na história

NO DIA 13 DE ABRIL de 1831 Dom Pedro I embarcava para a Europa, depois de abdicar do trono brasileiro. Em 1919 Epitácio Pessoa derrotava Rui Barbosa e era eleito presidente da República. Em 1977, através da Emenda Constitucional, o presidente Geisel promovia a Reforma do Judiciário. Comemora-se hoje Dia do Hino Nacional Brasileiro, Mundial da Imprensa, dos Jovens, do Office Boy e do Beijo.

 

Além disso, verifique

 A delação premiada e o direito talmúdico

  Por Rabino Samy Pinto: Uma prática da justiça tem se tornado um assunto habitual …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *