Powered by free wordpress themes

Home / Opinião / Porundubas políticas  

Powered by free wordpress themes

Porundubas políticas  

 

por Gaudêncio Torquato –

Suavemente…

José Maria Alkmin (sem o C do Alckmin de São Paulo), o sábio das Minas Gerais, foi advogado de um crime bárbaro. No júri, conseguiu oito anos para o réu. Recorreu. Novo júri, 30 anos. O réu ficou desesperado:

– A culpa foi do senhor, dr. Alkmin. Eu pedi para não recorrer. Agora vou passar 30 anos na cadeia.

– Calma, meu filho, não é bem assim. Nada é como a gente pensa da primeira vez. Primeiro, não são 30, são 15. Se você se comportar bem, cumpre só 15. Depois, esses 15 são feitos de dias e noites. Quando a gente está dormindo tanto faz estar solto como preso. Então, não são 15 anos, são 7 e meio. E, por último, meu filho, você não vai cumprir esses 7 anos e meio de uma vez só. Vai ser dia a dia, dia a dia. Suavemente.

(Sebastião Nery conta a historinha em seu Folclore Político).

Huck desafoga o meio

A decisão do empresário-animador Luciano de desistir de candidatura presidencial em 2018, sonho de alguns partidos, desafoga o meio do espectro ideológico. Como se sabe, nas pontas, dois cavalos de corrida já abriram o páreo: Lula e Bolsonaro. No centro, Geraldo Alckmin prepara-se para ser protagonista de proa. Esse espaço ainda pode ser disputado por Marina Silva, Ciro Gomes, o senador Álvaro Dias, o outsider Joaquim Barbosa, eventualmente Henrique Meirelles e outros que tendem a adensar o grupo. O fato é que Huck era, até a última segunda, o nome mais ventilado. Com sua saída, Alckmin terá a candidatura vitaminada.

Checando as possibilidades

O problema que Geraldo Alckmin enfrentará é a conhecida tendência do PSDB de subir ao muro. Trata-se de um partido cercado de indefinições. E muita vaidade. De muitos caciques. Digamos que o governador de São Paulo tenha condições de unir as duas alas em briga: a do senador Tasso Jereissati e a do governador Marconi Perillo. Mesmo assim, grande desconfiança paira sobre o próprio governador. Ele trabalhou nos bastidores pela saída dos tucanos do governo Temer. E ficou na moita em matéria de posicionamento da bancada sobre a reforma da Previdência. Teria ficado mudo. Como disporia ele de condições para lutar por uma aliança com o PMDB?

Ninguém tem provas…

Numa festa, a dona de casa recebe um político famoso.

– Muito prazer! – diz ele.

– O prazer é meu! Saiba que já ouvi muito falar do senhor!

– É possível, minha senhora, mas ninguém tem provas.

Maia subindo

Rodrigo Maia está se saindo muito bem como presidente da Câmara. Articula bem, conversa com gregos e troianos, sabe lidar com correligionários e opositores. Poderia ser o nome de consenso entre os partidos do meio. Mas Rodrigo receia arriscar-se. Prefere uma candidatura certa a deputado Federal que a vaga possibilidade de ganhar o assento presidencial. E o governo do Rio de Janeiro? Na situação em que se encontra o Rio, não será interessante sentar na cadeira de governador. Como presidente da Câmara, teria mais força e visibilidade. Mas o pai, o vereador César Maia, até veste bem o figurino de candidato. Seria uma boa composição.

Barbosa

Joaquim Barbosa parece muito envaidecido com a possibilidade de vestir o manto de candidato a presidente. Mas, à moda Huck, deve rejeitar a hipótese. Enfrenta problema de coluna – que lhe causa dores – e hoje está confortável no papel de ex-presidente do STF, paparicado em todos os lugares. Deixar essa situação de conforto e optar pela luta política poderia ser má opção. Este consultor não aposta na candidatura de Joaquim Barbosa.

Marina, a Santa

Marina Silva continua etérea, cercada por ares puros e éticos. Mas ainda assim, não teria estrutura – porte, tamanho, fortaleza, tempo de TV, etc. – para sustentar uma campanha pesada. A impressão é a de que lhe faltaria oxigênio para chegar aos últimos 500 metros da corrida. Por isso, poderá ser uma candidata respeitada e admirada, com boa bacia de votos, particularmente de segmentos jovens. Mas sem chance de sentar na cadeira presidencial.

Ciro, o Canhão

Trata-se de um sujeito preparado, falante, destemido. Mas diz o que pensa e um pouco mais. E essa condição lhe subtrai muito voto. Ciro sofre da síndrome do touro: pensa com o coração e ataca com a cabeça. Por isso, se sairá bem nos debates eleitorais entre candidatos, mas será visto com desconfiança por parte de parcela ponderável da sociedade. Fará bonito no Nordeste, onde circula com desenvoltura.

Álvaro e Manuela

O senador Álvaro Dias tem imagem muito regional. Confina-se no Paraná. E seu novo partido, o Podemos, não terá cacife para “poder” alçá-lo a um patamar elevado nas pesquisas. Quanto a Manuela D’Ávila, trata-se de perfil simpático. Encarna o poder jovem. Mas seu PC do B é limitado. Sua imagem também é muito regional (RS).

E Meirelles, hein?

Henrique Meirelles teria chances? Primeiro, vale dizer que o homem é pesado. Não tem um pingo de carisma. Fala de maneira arrastada, como se estivesse com dificuldade de concluir o pensamento. Mas vai que a economia dê um enorme salto… Se isso ocorrer, poderá surgir na frente dele um cavalo corredor. Milagres acontecem. E, na política, o imponderável nos faz visita de tempos em tempos.

Bolsonaro emplaca?

Tudo é possível. Meu amigo Lavareda, perito nas pesquisas e um grande pesquisador da “alma brasileira”, acentua que “o posicionamento dele é bom”. Concordo que o deputado Jair Bolsonaro se aproveita das circunstâncias. Do Brasil que clama por ordem, disciplina, autoridade. Bolsonaro encarna esse espírito. Só que precisamos verificar o que irá ocorrer: terá tempo disponível de mídia para massificar sua pregação? Não será canibalizado por protagonistas com maior poder midiático? Não será destroçado em debates? Terá tranquilidade suficiente para responder às inquietantes indagações que certamente lhe serão feitas?

Pesquisa qualitativa

Para conhecer bem o que pensa o eleitor, a indicação é a pesquisa qualitativa. Grupos bem escolhidos e representativos do colégio eleitoral poderão mostrar o que pensam, como pensam, expectativas, anseios, angústias, indignação, esperanças. Os candidatos precisam mergulhar fundo na consciência coletiva.

Peru não morre de véspera

A eleição de um candidato depende do momento, das circunstâncias, da temperatura social, dos versos e reversos da economia, do perfil dos adversários, dos debates e combates na arena eleitoral, dos climas regionais, da força da mídia eleitoral (significando tamanho dos programas eleitorais), dos inputs momentâneos (uma crise abrupta, um caso espetaculoso) – enfim, de uma escala de elementos ponderáveis e imponderáveis. Os fatores imprevisíveis abrem as possibilidades. Única verdade: peru não morre de véspera.

Fecho a coluna com uma historinha de Tenório Cavalcanti.

Armado de admiração

Tenório Cavalcanti, udenista e adversário político de Vargas, foi ao Catete numa comissão de deputados. Andava nas manchetes dos jornais por causa de suas estripulias em Caxias, na base da “Lourdinha” (metralhadora) e da capa preta. Getúlio o cumprimentou, olhou bem para o volume do revólver embaixo do braço esquerdo, sob o paletó:

– Deputado, o senhor está armado?

Tenório ficou vermelho, mas não perdeu o bote:

– Sim, presidente, armado de admiração por V. Excelência.

Além disso, verifique

Desnorteados e largados

-Marli Gonçalves- Não há batatinha amarrada na fronte que resolva. Calmante que acalme. Protetor de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.