Powered by free wordpress themes

Home / Opinião / A hora da sexta coroa

Powered by free wordpress themes

Belgium's Kevin De Bruyne and Brazil's Fernandinho, right, challenge for the ball during the quarterfinal match between Brazil and Belgium at the 2018 soccer World Cup in the Kazan Arena, in Kazan, Russia, Friday, July 6, 2018. (AP Photo/Francisco Seco)

A hora da sexta coroa

Coluna Carlos Brickmann –

Perdemos; os belgas jogaram melhor, a Seleção de defesa impecável nunca esteve tão aberta, um excelente chutador como Philippe Coutinho errou feio um chute de frente e de perto, craques mundialmente famosos erraram passes curtos. Mas, correndo mais uma vez o risco de remar contra a maré, este colunista acredita que a Seleção terá seu grande momento em 2022, especialmente se os dirigentes do futebol tiverem a clarividência de manter Tite como técnico. Os mesmos jogadores, mais experientes, darão suporte aos novos (e Tite, sempre se atualizando, saberá como usá-los). Lembrem-se da Seleção de 1966: foi a base da campeã de 1970.

Em 1966, a grande esperança brasileira era Pelé. Uma excelente manchete, no dia em que o Brasil enfrentaria Portugal, saiu no Diário da Noite, de São Paulo: “Pelé, jogai por nós”. Mas nem Pelé, no auge de sua forma (e estava saindo de uma contusão) ganhava um jogo sozinho. Portugal eliminou o Brasil da Copa. Falou-se o diabo dos jogadores. Quatro anos depois, com jogadores como Brito, Gérson (o mais criticado de 1966), Jairzinho, Tostão, Pelé, Edu, das diversas formações tentadas antes da Copa anterior e durante a disputa, o Brasil formou uma das melhores seleções de todos os tempos. Isso pode perfeitamente se repetir em 2022.

Lamentemos a derrota. E nunca deixemos de lembrar que, em futebol, Brasil é Brasil. Pois só há um país que tenha ganho cinco Copas do Mundo.

Quem é quem na sucessão

Que pensa cada candidato? A Confederação Nacional da Indústria ouviu Alckmin, Ciro, Marina, Bolsonaro, Álvaro Dias e Meirelles. Em http://www.chumbogordo.com.br/19698-quem-e-quem-na-sucessao-assista-pode-ajudar/

Geraldo quem?

Alckmin diz que está animado, apesar dos baixos índices nas pesquisas. Acha que vai crescer no horário eleitoral, onde acredita que terá a maior parte do tempo, graças às alianças que, a seu ver, são inevitáveis. Como se vê, tudo é questão de fé: se tudo ocorrer como ele acredita, quem sabe? Só que o Centrão (que mudou de nome: agora é Blocão) resiste a apoiá-lo.

O DEM, tradicional aliado dos tucanos de Alckmin, está interessadíssimo em Ciro Gomes, a quem atribui mais possibilidades de vitória. O Blocão pode segui-lo. Outros partidos que poderiam apoiá-lo puxaram o freio – como o PSB, em São Paulo comandado pelo governador Márcio França. Alckmin lhe tinha prometido apoio na eleição estadual, mas João Doria impôs sua candidatura ao PSDB, e Alckmin não se esfalfou para cumprir a promessa.

Multiplicações

O PMDB poderia dar apoio decisivo a Alckmin (pondo Meirelles como vice). Mas teme que um arraste o outro para mais baixo. E Alckmin ainda tem outros problemas: gostaria de um vice nordestino, que lhe desse votos na região; mas precisa conquistar também o Sul, onde o PSDB pela primeira vez vai mal nas pesquisas. Poderia oferecer a vice a Álvaro Dias, mas e o vice nordestino, e Meirelles?

E São Paulo, seu reduto eleitoral, a maior trincheira tucana, onde ele mal empata com Bolsonaro? O PMDB gostaria de cortar o mal pela raiz: sai Alckmin, entra João Doria (com isso, garantiria também o PSB, dando apoio a Márcio França para o Governo).

Alckmin pode repetir Aureliano Chaves em 1989: sem voto, sem futuro.

Garantido

Enquanto isso, Bolsonaro dispara na frente. E negocia um apoio que lhe garantirá mais tempo de TV: conversa com Valdemar Costa Neto, do PR, oferecendo-lhe a vice-presidência, com o nome do senador Magno Malta.

A opinião do dinheiro

Há grupos para os quais o resultado da eleição tem efeitos econômicos imediatos: os investidores. É gente prática, que raciocina com o bolso, não com o fígado ou o coração. Uma grande empresa, a XP Investimentos, fez uma pesquisa com 146 investidores sobre eleições e mercado. Resultados, divulgados pela XP News & Política:

49% acreditam que Jair Bolsonaro será o vitorioso. E 32% creem que, no segundo turno, enfrentará Marina Silva. Para 62%, a vitória de Bolsonaro fará com que a Bolsa suba; 39%, que o Real se valorize; e 58% que a taxa básica de juros, Selic, fique acima de 8% no fim de 2019.

Em geral, acham que só a vitória de Alckmin levaria à aprovação das reformas Tributária e da Previdência; 95% acham que a Bolsa

subiria; 84% acham que o Real se valorizaria, levando o câmbio para baixo de R$ 3,40.

Em geral, creem que a vitória de Ciro ou Haddad seria negativa para a Bolsa, e gerariam mudanças na Reforma Trabalhista e no Teto de Gastos.

Dilema

O empresário Flávio Rocha rejeita qualquer possibilidade de sair como vice de algum candidato à Presidência. Só que, a julgar pelas pesquisas, os eleitores rejeitam qualquer possibilidade de elegê-lo presidente.

Além disso, verifique

Bastidores

Por A.C. Camargo Quando a bola rolou pela primeira vez no gramado de Moscou abrindo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.